Newsletters - imagem: novoscaminhos.com.brQuantas pessoas ainda acreditam no velho mito de que listas de e-mail compradas de “empresas sérias”, com milhares e milhares de endereços são realmente um bom negócio? Quantas pessoas ainda acreditam que 1% de retorno em uma lista de 50.000 nomes é igual a 500 vendas? Quantas pessoas ainda acreditam que as pessoas querem receber e-mails da sua empresa e ficam extremamente gratas pelo fato de você permitir que elas tenham contato com suas ofertas?

Um dos grandes problemas do e-mail é o SPAM. Independente do fato dos mais jovens não usarem mais e-mail, por preferirem se conectar mais rapidamente aos outros via redes sociais e comunicadores instantâneos, não é isso que vai fazer com que o e-mail acabe. O que está acabando com o e-mail é o SPAM. Comentei em um post no começo do ano, falando sobre a eficiência do e-mail marketing – que chegava a receber 30 mensagens não autorizadas por dia, fazendo com que as mensagens reais ficassem perdidas em meio ao monte de lixo eletrônico. Desde então, troquei meu e-mail e tomo bastante cuidado onde ele será divulgado, além de usar uma conta do Gmail, onde eu posso rastrear e bloquear o site que vazou o meu endereço, para cadastros em sites diversos.

Nesse post, não quero discutir se é válido ou não o envio de newsletters para os clientes. Já que você terá que enviar e-mails para eles, por que não seguir algumas dicas?

  1. procure segmentar sua lista de clientes. Por mais que você não tenha muitos perfis diferentes de clientes e potenciais compradores, sempre é possível dividi-los em três ou quatro grupos, conforme sua faixa etária, sexo ou gostos. Se você tem grupos de clientes segmentados, é possível montar comunicações diferenciadas.
  2. use um software pra gerenciar suas listas de e-mail e envio de newsletters. O mercado tem boas opções, pagas e gratuitas, para gerenciar as inscrições e controlar o recebimento, além de permitir que o cliente deixe a lista de um modo fácil. Parece óbvio, mas ainda recebo muitos e-mails que não exibem a opção de descadastramento ou então me obrigam a informar qual o e-mail cadastrado (bem complicado para quem usa 6 endereços de e-mail, reunidas em uma única conta).
  3. não faça da captação dos dados do cliente um objetivo. Seu objetivo é vender, não conseguir endereços de e-mail ou datas de aniversário. Foque na venda e permita que o cliente informe apenas os dados essenciais para que a venda seja feita sem erros e com qualidade.
  4. aproveite o momento do pós-venda para conseguir mais informações sobre seu cliente. Depois que ele comprou e está vendo a tela de confirmação do pagamento, é a hora certa de tentar obter mais dados, se o cliente estiver disposto a isso. Nesse momento, apresente a ele uma opção para contar mais sobre seus gostos, sem campos obrigatórios e dando a liberdade de ele escolher não receber os seus e-mails. Recompense o cliente pelo tempo gasto com o formulário dando um vale-desconto para uma próxima compra.
  5. se no seu negócio formar uma lista de e-mails é importante então parta para a captação aberta, na frente do site. Mas não pense que os e-mails serão dados de graça. Ofereça algo em troca para o cliente: um manual, um tutorial, uma versão de testes de seu software, um período de testes na área restrita de seu site. Ofereça algo de qualidade para que o cliente se sinta motivado e atraído a lhe fornecer um e-mail de verdade.

Nessa linha, tenha em mente que o interessante é que você disponha de um e-mail que o cliente cheque com regularidade e não uma vez por mês, quando ele se lembra dele. Vou reforçar: ele só fará isso se você tiver conteúdo de qualidade e diferenciado, que realmente interesse a ele. Caso contrário, você terá uma lista com 50.000 e-mails e 90% deles sem qualquer valor.

Como montar sua lista de e-mails para newsletter?
1 voto, 5.00 média (92% pontuação)