É preciso sempre monitorar e compreender o que está acontecendo em sua loja. Este tutorial fala de como lidar com as estatísticas de sua loja virtual e o que você deve prestar atenção para otimizá-la e vender mais.

Se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve. Essa é uma frase comum no meio empresarial e quer dizer exatamente o que ela quer dizer (óbvio, né?): se você não tem uma direção, se você não traçou um plano, se você não definiu um caminho a trilhar, não tem como saber se acertou ou se errou, pois qualquer caminho que você pegar, sempre levará a algum lugar. Porém, mesmo que você saiba qual direção tomar, é preciso saber quando você chegou lá e se o caminho utilizado foi adequado, além de compreender em que situação você chegou lá. Para isso, é necessário ter os instrumentos para monitorar seu caminho.

caminho das pedras - imagem: Philip Lee Harvey/Cultura

1) Importância do monitoramento

É justamente pela necessidade de medir e saber onde e como você está que o monitoramento se faz tão importante. Esse é um dos pontos onde a maioria dos empreendedores peca – e eu me incluo nisso, muitas vezes não sei exatamente a situação da empresa, em seus mais diversos setores. Talvez por termos tantas tarefas e tantas coisas a cuidar, acabamos deixando o monitoramento e as estatísticas em segundo plano. Ao menos, não damos tanta importância como deveríamos.

Nesse tutorial, meu foco não é o monitoramento das finanças ou das vendas de sua empresa, nem da produtividade de seu time. O foco está no monitoramento de sua loja virtual, das páginas de seu site, o que incluir entender principalmente como seus potenciais clientes estão se comportando em sua loja e o que pode ser feito para otimizá-lo e mantê-lo próximo do caminho traçado para sua empresa.

Existem N formas de fazer o monitoramento, sendo a mais comum o Google Analytics. Minha experiência mostra que quanto mais formas encontramos de monitorar os resultados, menos atenção damos a elas e mais as deixamos de lado, provavelmente por conta do excesso de informações. Talvez nosso cérebro não consiga lidar com muitas informações e acabamos por bloquear e esquecer tudo aquilo que passa além de um determinado ponto.

Então, não adianta termos uma coleção gigantesca de dados e informações e não conseguirmos transformá-la em conhecimento. Penso que essa seja a grande chave de tudo isso: é melhor trabalhar com menos dados, com menos informações e a partir desse conjunto restrito, buscar construir o conhecimento de como seu cliente está interagindo com seu site e do que pode ser feito. A partir do momento em que se domina essa primeira parte, pode se pensar em formas complementares para agregar novos dados e validar ou refutar algumas premissas.

O importante de tudo isso é que você não pode deixar de ter ao menos esse conjunto mínimo de ferramentas de monitoramento e fazer uso delas dentro de suas capacidades. Desde o primeiro dia em que sua loja virtual vá ao ar.

2) Coleta de dados

A principal ferramenta para coletar dados de visitação de seu site é o Google Analytics. Ele é simples de instalar e usar (ao menos a parte básica dele é bem simples) e à medida que você aprender mais sobre ele, pode criar perfis e filtros para segmentar os dados e facilitar a compreensão do que acontece em sua loja.

Via de regra, para ter uma conta no Analytics, basta que você tenha uma conta Google, normalmente atrelada a um Gmail. Há inúmeros guias na internet que mostram passo-a-passo sobre como criar essa conta e monitorar um site, por isso vou ater-me aos pontos principais:

  • Crie um novo site em sua conta no Google Analytics e informe os dados principais. Lembre-se de criar um novo site, caso você já utilize o Analytics, de modo a não fazer confusão com seus outros monitoramentos. Crie também o perfil geral, que servirá para manter os dados “puros”, ou seja aqueles não filtrados (isso será importante quando você começar a criar novos perfis e fazer uso dos filtros).
  • Defina o site como um e-commerce – isso incluirá as ferramentas adicionais para monitorar comércios eletrônicos.
  • Obtenha o código de monitoramento (como UA-1234567890) e inclua em seu site – provavelmente, sua plataforma de e-commerce já tem suporte pra isso. Se não tiver suporte na plataforma, converse com seu desenvolvedor para que ele inclua o código JavaScript completo em cada uma das páginas.
  • Se sua plataforma permitir, faça as configurações necessárias – algumas plataformas de e-commerce trazem funções adicionais, como identificação do grupo de cliente ou produto que foi visitado, entre outros.
  • Configure também o funil de vendas – no Analytics, você pode configurar os passos que compõem o caminho para a conclusão do checkout. Assim, é possível identificar onde seus clientes estão abandonando sua loja e dar pistas do que pode ser feito para converter melhor.

No dia seguinte, você já deve começar a ver as visitas em seu site. A partir daí, o Analytics será a principal fonte de informações sobre como seu cliente se comporta na loja virtual: quais as páginas de entrada, quais as páginas de saída, tempo de permanência, taxa de rejeição, número de visitas e muito mais. Falaremos mais sobre isso no post específico sobre o Google Analytics.

Além do Analytics, que trabalha com coleta de estatísticas de seu site, existem outras ferramentas que podem ser usadas em conjunto, de modo a trazer mais detalhes sobre como seu cliente navega. Entre elas, estão mecanismos como o Hotjar, que filma o que o cliente faz em sua loja. Ele consiste em um plugin colocado em seu site que monitora os movimentos do visitante, gravando sua tela e permitindo que se assista depois.

O plano gratuito permite um número limitado de vídeos, mas pode ser bastante útil se você quiser apenas entender quais problemas o cliente está enfrentando em determinada página. Não se esqueça também que é preciso informar ao cliente em sua política de que seu acesso pode estar sendo gravado e garantir que dados pessoais não sejam armazenados.

Monitoramento e estatísticas em lojas virtuais – parte 1/4
0 votos, 0.00 média (0% pontuação)