É preciso sempre monitorar e compreender o que está acontecendo em sua loja. Este tutorial fala de como lidar com as estatísticas de sua loja virtual e o que você deve prestar atenção para otimizá-la e vender mais.

aumentando a conversão - imagem: Jorg Greuel - Digital Vision

Fechando os artigos desse tutorial sobre monitoramento e estatísticas em lojas virtuais, vale a pena darmos uma olhada em mais duas itens que guardam profunda relação com os pedidos em uma loja virtual e que,dentro de uma estratégia definida, colaboram para que você venda mais.

6) Origem dos clientes

É realmente importante que você avalie a origem dos clientes, especialmente as páginas e as palavras-chave que estão contribuindo com as visitas. Isso está relacionado com a compreensão do funil de vendas. Explico: se muitos clientes estão vindo de uma avaliação de um produto que você vende, seja em um blog qualquer, seja em um blog que você mesmo escreve, há grandes chances de esses clientes terem interesse no produto e portanto, estão mais inclinados a fazerem uma compra.

Por outro lado, se as pessoas chegam até você por conta de uma busca simples pelo nome do produto, provavelmente ainda estão na parte de cima do funil, apenas pesquisando, tentando entender o que faz o produto e como ele pode solucionar seus problemas. Esse visitante tem menos chance de fechar e precisa ser conquistado, é preciso mostrar para ele que você pode ser uma opção na hora que ele estiver pronto para comprar.

Parênteses: aquela praga chamada spam não conta. Você verá uma série de acessos identificados como vindos de sites que se dedicam apenas a isso, atrapalhar a vida das pessoas.

Entendendo como estão se comportando os visitantes a partir de diversas origens, é bem mais fácil de agir para melhorar seus fundamentos. Não digo que é fácil e que será rápido, mas se você identificar que muitos clientes têm interesse em seu produto, estão chegando em seu site, mas ainda não estão prontos para comprar, você deve tentar capturar sua atenção com conteúdo – e não tentar vender o produto. Um exemplo é trabalhar a newsletter, convertendo aquele potencial cliente em assinante. Outro exemplo é incluir na página do produto um link, visível, destacado, para um post em seu blog onde você apresenta o produto em detalhes.

7) Acompanhamento das conversões

Na mesma linha, é preciso ter atenção ao acompanhamento das conversões. Muitos me perguntam qual é a “taxa ideal de conversão” e a minha resposta é sempre “depende”. Quem me conhece já sabe que o “depende” significa que “não existe resposta” e que vou mostrar isso nas frases seguintes, 😀

Não existe uma taxa de conversão ideal, assim como não existe um número ideal de visitas ou de pedidos. Isso varia de mercado para mercado e de negócio para negócio. Minha experiência diz que os pequenos e-commerces brasileiros têm uma taxa média de conversão em torno de 1%, sendo que os iniciantes podem estar bem abaixo disso, uma vez que ainda não há uma base de clientes e eles ainda não confiam suficiente na empresa para “sair comprando”.

Comparando com o que falei no primeiro tópico, você deve monitorar como andam as conversões por etapa do funil de venda. Se você tem muitos visitantes que claramente estão prontos para comprar (seja pelas palavras utilizadas, seja pelo número de visitas) e ainda assim está vendendo pouco, com uma taxa de conversão muito baixa, é preciso entender o que está acontecendo. Parece-me óbvio que entre os visitantes que têm interesse claro em seu produto, é possível buscar taxas de conversão na casa de 10%.

Dá um pouco mais de trabalho, porém você pode dar uma atenção aos multicanais. O Analytics traz uma ferramenta para verificar que canais tiveram impacto no cliente ao longo de suas múltiplas visitas. Isso faz com que você descubra, por exemplo, que determinado cliente chegou até seu site por um anúncio no Google Adwords, abandonou, voltou por uma página do Facebook, abandonou, entrou a partir de uma busca orgânica e por fim, no momento da compra, digitou diretamente o endereço no navegador.

Monitoramento e estatísticas em lojas virtuais – parte 4/4
0 votos, 0.00 média (0% pontuação)