Está em dúvida como escolher uma plataforma para sua loja virtual? Este tutorial é destinado a apresentar os principais pontos sobre essa questão e está dividido em quatro partes. Você também pode buscar outros artigos sobre plataformas de lojas virtuais aqui no blog.

Na última etapa desse tutorial sobre como escolher a plataforma para sua loja virtual, falta falarmos sobre os marketplaces, o que são e como utilizá-los. Para arrematar, é preciso pensar em como trabalhar com os três modelos vistos, de forma a extrair o melhor de cada um deles e fazer sua loja captar mais clientes e vender ainda mais.

carrinho de supermercado - imagem: Tom Grill/Photographer's Choice4) Marketplaces

Você pode usar um marketplace a qualquer momento, seja uma conta no Mercado Livre para iniciar suas vendas ou atrair novos clientes, seja uma conta em varejistas como o Submarino, o Ponto Frio ou o Walmart, para ser visto por seus milhares de clientes diários, ou ainda buscar clientes qualificados em marketplaces segmentados, como os de moda ou de nicho.

O problema é que não adianta simplesmente abrir uma conta em cada um dos marketplaces e sair oferecendo seus produtos por lá. Mesmo que a maioria deles não cobre uma mensalidade e você só tenha custos diretamente na hora que um pedido for feito, há um custo na forma de preparação de sistemas e na manutenção de suas estratégias. Exato, se você simplesmente entrar nos marketplaces, sendo apenas mais um, é isso que você será. E os “apenas mais um” não vendem nada.

 

Antes de mais nada, é preciso verificar quais marketplaces estão alinhados com a estratégia a ser utilizada. Por exemplo:

  • Você quer atrair clientes novos, dentro de seu público-alvo específico, de modo a torná-los clientes fiéis – escolha um marketplace, que tenha o público mais próximo daquele que você busca e trabalhe uma seleção de produtos, um por categoria que você venda. Coloque preços iguais aos de sua loja virtual e trabalhe uma descrição chamativa, com fotos em destaque, caso o marketplace permita. Avalie também a possibilidade de pagar por destaques. À medida que os pedidos forem sendo feitos, trabalhe essa base de clientes com o objetivo de convertê-los em clientes de sua loja, diretamente.
  • Você quer girar seu estoque, sem se importar com a dependência do marketplace – busque um varejista e ofereça seus produtos ali. O preço deve ser competitivo o suficiente para que seu produto seja atrativo, mas sem que você tenha prejuízo. A ideia é desovar os produtos que estão em estoque.
  • Você quer testar a aceitação de novos produtos – para que um produto possa ser devidamente testado, ele precisa de uma amostra um pouco maior do que aquela que passa regularmente em sua loja. Um marketplace com um público que esteja preparado para novos produtos e goste de experimentar é o lugar ideal para testar novos produtos e amadurecer as estratégias que serão usadas posteriormente em sua própria loja.
  • Você quer criar reputação e volume, vendendo produtos baratos – provavelmente a melhor opção é o Mercado Livre. Esse dispensa comentários.

Não é preciso que você siga apenas uma estratégia. Entretanto, reforço que para cada marketplace onde você decida operar, é preciso pensar em quais objetivos serão alcançados e o que precisa ser feito. Há ainda um fator importante, normalmente negligenciado: a integração entre os sistemas. Você pode processar os pedidos manualmente, mas depois de um tempo perceberá o quanto isso é trabalhoso, cansativo e com alta propensão a erros.

Nem todas as plataformas têm integração com os marketplaces mais comuns, o que dirá àqueles de nicho. Avalie como é feita a integração entre a plataforma que você utiliza em sua loja virtual e cada um dos marketplaces que você deseja utilizar. Há ainda a possibilidade de usar uma camada de integração, um serviço oferecido por empresas especializadas em fazer a conexão entre sua loja e os mais diferentes marketplaces.

5) Mesclando a utilização dos três modelos

Uma vez que você conhece os três modelos, há espaço para usar cada um deles em maior ou menor grau. Se você tiver uma loja alugada, pode atrair clientes qualificados colocando seus produtos nos marketplaces. O mesmo vale para lojas próprias. Se você só vende via marketplaces, pode iniciar uma loja de testes em um provedor de aluguel, investindo pouco enquanto consolida seu espaço.

Você pode também manter sua operação principal em uma loja própria, vender nos marketplaces e lançar operações de nicho com o uso de lojas alugadas, totalmente independentes de seu negócio principal. O céu é o limite, basta avaliar com cuidado todas as opções e definir os caminhos a seguir.

Escolhendo a plataforma de lojas virtuais – parte 4/4
0 votos, 0.00 média (0% pontuação)