Ontem fiz uma viagem ao Vale do Taquari e na volta, entre Porto Alegre e São Leopoldo, passo em frente a dois grandes atacadistas: o Atacadão e o Makro. Como moro em Canela, distante 100 km dali, nunca prestei atenção na possibilidade de fazer compras em um desses “hipermercados”, pois raciocinava que não compensaria andar 200 km mais pedágios para economizar um pouco, comprando em quantidade. Porém, se eu estiver passando em frente, com tempo, não custa nada parar e fazer compras.

Além disso, ainda tinha a visão de que essas redes não vendem pra qualquer um, mas apenas para pessoas jurídicas, cadastradas, pagando à vista ou com cadastro, etc, etc e etc. Durante a viagem é que me lembrei de que não é assim já há bastante tempo e ontem mesmo fui atrás de informações sobre as redes. Minha primeira parada foi o site do Atacadão. Posso estar cego, mas na página inicial não encontrei nenhuma informação sobre se posso, como pessoa física, comprar na rede, formas de pagamento e como são as quantidades – se vendem apenas em pacotes de 10 por exemplo ou vendem em unidades, porém os melhores preços ficam pras quantidades. Na segunda visita ao site, depois de percorrer páginas de textos institucionais, descubro que posso sim comprar unidades e cadastrar como pessoa física, mas ainda não sei como posso pagar.

Porém nesse meio tempo, entrei no site do Makro. Ele não é dos melhores, mas um link intitulado “Perguntas frequentes” no alto da tela já me resolveu as principais dúvidas, como por exemplo que eu posso comprar como pessoa física, com cadastro (devo levar os documentos), que não aceitam cartão de crédito nem débito e que vendem por unidade. Se eu tiver que experimentar, minha primeira tentativa será o Makro. E se o Makro me atender bem, o Atacadão não terá sua chance.

Para mim já ficou mais uma lição, que muitas vezes discuto com nossos clientes. As informações vitais têm que estar na cara do seu visitante. Assim que ele entrar no site ele já tem que ter contato com o essencial. Além disso, o secundário tem que estar à mão. Se o visitante perder tempo pra encontrar o que ele precisa, talvez ele saia do seu site e não volte mais.

Quem disse que grandes empresas não erram no mundo virtual?
0 votos, 0.00 média (0% pontuação)
  • Kika Venturini

    Informação é tudo em um site. Site simples, clean e com as informações necessárias para o cliente sanar suas dúvidas sem ter que dar muitos cliques ou não ter resolvido sua dúvida. Pois se acontece seu site morre, pois o cliente jamais irá querer e voltar. E a concorrência hoje em dia é gigante.

    Adorei a reportagem. Parabéns.