Domingo frio e chuvoso em Canela e acabo de assistir no Futura o programa “No estranho mundo dos seres audiovisuais”. Peguei o programa já na metade, no momento em que Washington Olivetto comentava sobre o alcance da televisão e da importância das mídias audiovisuais.

Não tem jeito! Em vinte anos as coisas mudaram em uma velocidade impressionante e acho que há poucas pessoas com visão suficiente pra entender pra onde vamos. Refletindo um pouco, parece mesmo que rádios, televisões e jornais como conhecemos hoje não vão acabar tão cedo. Nesse primeiro momento, o que parece é que haverá uma segmentação, partindo pra canais, rádios e jornais direcionados, o que ajudará a melhorar a comunicação com seus clientes, de uma maneira mais focada. É claro que continuará sendo diferente do chamado marketing de permissão, onde o usuário vê aquilo que ele busca, mas creio que será mais eficiente do que anúncios altamente abertos, onde se ganha por uma pequena fração de um grande quantidade.

E você não precisa ser um grande anunciante pra se beneficiar de anúncios em grandes redes. A internet já entrou na vida de um grande número de pessoas, que complementam os estímulos que recebem das grandes mídias com as informações que buscam nas redes sociais e nos websites. Fique atento, grandes oportunidades aparecem a todo instante.

(continuo no Futura e eis que o programa seguinte – Adrenalina – apresenta um rapel na Ponte do Guaíba e na Usina do Gasômetro, ambas aqui, na capital dos gaúchos)

A publicidade na televisão
0 votos, 0.00 média (0% pontuação)