A Menina do Vale, por Bel Pesce - imagem: divulgaçãoDe uns tempos pra cá, a Bel Pesce virou a queridinha do mercado e não é pra menos. Ela tem 25 anos e já fez mais coisas que muito marmanjo mais velho (acho que eu me enquadro nessa definição): ela morava em São Paulo, fez o ensino médio como tantos outros jovens, queria entrar no ITA (bom, só por esse desejo já dava pra ver que ela não era normal) e descobriu que poderia cursar o MIT, nos Estados Unidos. Só que não seria tão simples, várias barreiras seriam erguidas entre esse desejo e a realização.

Pouco a pouco elas foram caindo. A Bel foi admitida no MIT, fez a graduação (simultaneamente em vários cursos), estudou, trabalhou, ralou. Preencheu vagas no Google e na Microsoft, abriu empresas, teve contatos com empreendedores fora de série, voltou pro Brasil, ufa! Essa é a história de “A Menina do Vale”, lançado primeiro online e agora disponível nas melhores livrarias. O livro é curto – são cerca de 120 páginas – e tem uma leitura agradável e que flui bem, passando por tópicos ligados aos negócios, ao comportamento do empreendedor e ao planejamento. Vale a pena para quem está começando a empreender ou precisa recarregar as energias pois a autora coloca as coisas de uma forma bem positiva e otimista.

Aliás, esse é meu único ponto de choque entre as visões: o excesso de otimismo e determinação. Sua vontade em buscar as coisas e atingir o sucesso em seu projetos, sem desistir, mesmo quando se escuta um “não” pode passar uma ideia de teimosia. Concordo que não se deve desistir facilmente mas é preciso entender onde é o limite, qual é o ponto onde se deve aceitar um não e mudar as estratégias, até mesmo postergando seus projetos. Antes que eu seja apedrejado, não digo que a autora é teimosa justamente porque teimosia com empreendedorismo, mas é preciso ter esses limites claros sempre que for empreender. Tirando esse pequeno choque de visões, o livro é altamente recomendável.

A Menina do Vale, Bel Pesce
0 votos, 0.00 média (0% pontuação)