Fábrica de dinheiro - imagem: Jayme ThorntonQuem trabalha com Facebook sabe que existe a possibilidade de fazer anúncios na rede social, exibindo suas postagens na timeline dos seguidores, de seus amigos ou até mesmo de um grupo selecionado de integrantes da rede. Há também a possibilidade de anunciar sua fanpage como um todo, atraindo novos fãs pelo conteúdo como um todo e não só por uma postagem específica.

Não vou discutir se isso virou uma fábrica de dinheiro para o Facebook, uma vez que as postagens das fanpages praticamente deixaram de aparecer de maneira orgânica para os fãs, atingindo em média apenas 1 a 2% dos seguidores. Se você não patrocina seus posts, praticamente ninguém vai vê-los na timeline, o que torna as fanpages quase sem sentido. Nosso foco aqui é falar sobre dois tipos de patrocínios, um perfeitamente lícito e outro bastante incorreto.

O primeiro alvo de meus comentários é a compra de anúncios que apresentam sua página como um todo. Esses anúncios não são feitos com base em uma postagem específica, mas sim na página, mostrando anúncios na lateral do Facebook, com uma imagem da página e um pequeno texto a descrevendo. A ideia desse tipo de anúncio é apresentar sua página para potenciais novos seguidores, fazendo-os conhecer seu conteúdo e passar a segui-lo.

Na maioria das vezes, na minha opinião, esse tipo de anúncio não vale a pena, pois acaba trazendo pessoas que clicam no anúncio apenas por curiosidade e acabam não se engajando, passando a ser apenas mais um número na fanpage. E números, vocês sabem, não dizem muita coisa nas redes sociais: você pode ter 1.000 seguidores engajados, com uma interação alta, e 10.000 seguidores despreocupados, que sequer estão recebendo suas postagens.

Para não dizer que anunciar sua página no Facebook seja sempre uma mau negócio, há uma situação em que vale a pena: quando você já domina a ferramenta, consegue segmentar seu público e pode fazer com que o novo seguidor acabe em seu site ou loja virtual, de modo a se identificar com a marca e o produto. Percebe a dificuldade? Você está pegando alguém que está passando na rua, precisa atrair a pessoa certa, fazê-la entrar no shopping e levá-la até sua loja no segundo andar. Uma vez que essa pessoa entrou na loja, ela precisa estar em um estado de espírito que permita que ela se lembre do que viu e se identifique com os produtos para voltar lá em uma compra futura.

Mas o maior problema não é esse tipo de anúncio, que é perfeitamente legal e tem chances de dar resultados. O problema é um outro tipo de publicidade, ainda oferecida largamente na internet: a compra de fãs no Facebook. Não se pode dizer que isso seja ilegal, mas coloco na mesma categoria de quem compra listas de e-mails. O mecanismo funciona assim: o dono da página compra um certo número de seguidores, como R$ 10,00 por mil novos fãs. O golpista (acho que posso chamá-lo assim), através de programas similares a vírus ou com a criação de uma rede de perfis falsos, entrega os fãs. De repente, por 10 reais, sua página começa a ter novos fãs do dia pra noite, mas nenhum deles é de verdade ou está realmente interessado no seu produto. Ou seja, não será desses fãs que virão novas vendas.

O único argumento que talvez fosse defensável (disse talvez) é que o aumento de fãs que gera credibilidade para os compradores e lhes dá segurança. Muitas pessoas têm medo de comprar em páginas desconhecidas e o número de fãs é um indicador do quanto a marca movimenta as pessoas. Só que ainda assim, seria uma enganação, já que aqueles fãs não existem e sua marca segue sendo uma ilustre desconhecida. Resumindo: fuja de comprar curtidas no Facebook e invista em boas campanhas de atração de novos fãs, pouco a pouco, mas realmente engajados. Sua empresa agradece.

Vale a pena comprar curtidas no Facebook?
0 votos, 0.00 média (0% pontuação)
  • http://www.indiretas.com.br adicadasemana

    achei interessante e alentadora a reportagem, mas fiz um teste com uma empresa chamada fastsocial.com.br e o resultado fou muito bom, acho que nao podemos generalizar.